sexta-feira, 21 de outubro de 2011

João dos patos

O editor entrou afobado na redação e me chamou. Na sala já estava o Jacaré, velho repórter policial. Eu trabalhava com ele algumas vezes. O chefe, subindo as calças por cima do bucho enorme, foi curto e grosso:

- Tem um doido lá na feira dos Malandros que vende diplomas. Um tal de seu João dos Patos. Vão lá ver se encontram o sujeito. Dêem um jeito de gravar uma entrevista como ele. Mas tudo no maior sigilo. Parece que o cara é metido com gente barra pesada e vocês podem entrar num rabo de foguete. Vão lá e comprem um diploma dele. Taí cem contos pra despesa!

- Comprar um diploma, chefe? – resmungou o Jacaré – Tô doido não! Isso dá a maior cana! Trocado em borracha é peia indo e peia voltando! A gente devia era tomar esses cem mirréis de cachaça.

- Diabéisso, Jaca? Num é mais homem não? Já te vi entrar em boca-de-fumo na maior cara de pau! Que foi agora? Tá virando mariquinha? Vão logo, seus baitolas! O jornal vai fechar daqui a pouco! Eu quero a matéria ainda hoje!

Já era quase meio-dia. Chegamos na feira com o cu cortando prego. O local era reduto de trambiqueiros de toda espécie e não foi difícil encontrar o tal sujeito dos diplomas. Bastaram umas perguntas ali, outras acolá.

- Nós tamos procurando o seu João dos Patos – perguntamos pra um cabra que tava ali de bobeira, só enfiando peido em cordão.

- É aquele véi mêi corno ali.

Descobrimos que o seu João, vendia mesmo era pato. Não sabemos até hoje como ele se enveredou no ramo de diplomas falsificados.

- Bom dia, seu João! – saldou o Jacaré.

- Bom dia, o caralho! Já tá hora do almoço e num vendi porra nenhuma! – Observei que ele tinha nas mãos um exemplar do livro Cem Anos de Solidão do escritor colombiano Gabriel García Márquez, Prêmio Nobel de Literatura de 1982, e na outra um copo de cerveja.

- O senhor vende patos na feira e lê Garcia Marquez? – arrisquei.

- É o meu autor preferido! Gostei mais d’O Amor nos Tempos do Cólera. É mais realista. – Aquilo me surpreendeu bastante. O Jacaré ficou futricando com os patinhos e num ímpeto, disparou sem nenhuma cerimônia:

- A gente tá querendo comprar uns papeis que o senhor vende.

- Papeis? Você quer dizer diplomas. – Corrigiu o velho naturalmente. – Qual curso e qual universidade? Posso conseguir qualquer curso. Menos Medicina. Mexer com médico dá a maior desgraceira! Mas ainda se quiser dá uma de doutor, eu dou um jeito. Tem jeito pra tudo! Agora, se for Universidade Federal, demora uns dois dias, mas vem com a marca d’água original do MEC. Se for essas faculdades rabo-de-cabra particulares, amanhã tá pronto. O de Direito é que mais sai e ainda te entrego com as notas da OAB e de brinde dou um diploma de filosofia.

- Tem o de Jornalista? – perguntei meio tímido.

- Aí dento! Tu é doido, macho? Num tem isso mais não! O STF lascou os jornalistas! Agora esse diploma num serve nem pra enrolar peixe!

- E é bem feito mesmo? Os diplomas? Num dá pra desconfiar? – perguntou o Jacaré já todo interessado.

- Marminino! É de primeira! Tem vereador, deputado, empresário, tudo aí charlando, se passando por advogado, engenheiro, e o carai de asa! Tudo cria minha!

- E a polícia, nunca deu em cima? – perguntei.

- Polícia? Que porra de polícia, cidadão! Eu mesmo já botei uns meninos lá dentro. É mais fácil do que empurrar bêbo em ladeira! A polícia tá sem moral! A bandidagem tem mais recursos do que a Polícia! O judiciário desmoraliza o trabalho policial colocando os criminosos de voltas às ruas! Pra quê prender, se a indústria de habeas corpus está de vento em popa? Se algum dia precisar de um alvará de soltura, o papai aqui dá um jeito!

- É muito caro um diploma desses? Eu sempre quis ser Engenheiro ou Arquiteto. – Disse o Jacaré maravilhado com a sapiência do gorducho vendedor de pato.

- Arquiteto é coisa de boiola, mas o de Engenheiro faço por duzentos contos, de primeira! Nem o Reitor desconfia! E de quebra, se quiser, leva um de Pedagogia, pra tu presentear a tua quenga, no preço! Vai ou não vai?

- Só mais uma perguntinha, seu João… tem muita gente que já veio aqui comprar diploma?

- Ôxente! Se tem! Não só atrás de diploma. No último pleito veio um candidato a deputado. Ele queria saber se eu não conseguia manipular a urna eletrônica pra ele ganhar a eleição. O sujeito tava desesperado feito o cão! Me ofereceu uma grana preta!

- O senhor conseguiu? Deu certo? Ele ganhou? – perguntei já assustado com tamanha corrupção.

- Tanto deu certo como o feladaputa foi eleito! Ainda me deu um cano, o baitola! Mas eu pego ele na virada!

- E deu pra manipular os votos da urna eletrônica? – perguntou o Jacaré desconfiado.

- Que deu, deu! Mas eu não sei como foi. Um amigo meu que é programador, tem um amigo dele que trabalha no TSE e passou umas dicas. Dizem que é a coisa mais besta do mundo! Essa urna veia é a maior mentira! Pra um país corrupto como o nosso, essa urna é a um prato cheio de merda até a tampa!

O Jacaré me fez um sinal pra gente sair pela tangente. O homem era mais perigoso do que a gente pensava. O seu João engoliu mais um copo de cerveja e mordeu um churrasquinho e disse cuspindo farofa:

- Como é? Vocês vão querer o diploma ou tão só de viadagem?

- Na verdade, seu João, nós somos repórteres e gostaríamos de fazer uma entrevista com o senhor. Pode ficar tranqüilo que o sigilo é garantido pela lei da Imprensa. – Disse o Jacaré.

- Repórter? Eu devia ter desconfiado! Esse monte de perguntas… – mordeu o churrasco.

- A gente só quer saber se o senhor topa falar sobre esse negócio de diploma falsificado.

- Diploma? Que diploma? Eu sou é vendedor de pato! Se quiser entrevistar os patos, fique à vontade. Agora esse negócio de diploma é tudo mentira da oposição! Não sei de nada! Não sei de nada!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poema agraciado no XX Prêmio Ideal Clube de Literatura 2018

Ponte Metálica ou Ponte dos Ingleses na Praia de Iracema em Fortaleza. (Foto Newton Silva). PONTE DOS INGLESES  O ideograma do te...