sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

HISTÓRIAS DO SERTÃO: O Cachorro da mulésta ou o Dia em que o Cão visitou o Catolé

Cidadezinha do interior é tudo parecida. Tem a Igreja Matriz, a pracinha, o prefeito, o padre, o delegado e o coronel. E Catolé não era diferente, não senhor! Mas tinha lá um coronel muito rico, dono de quase todas as terras da região, cabra metido a valente e impiedoso, dado a maltratar os bichos e os empregados que eram tratados como escravos. Era até mandante de pistoleiro. Gabava-se de já ter mandado muita gente pros quintos dos infernos.

E tudo o que acontece ou deixa de acontecer é sabido por todos, comentado nas bodegas, nos botequins, na feira, na barbearia, na missa e principalmente na farmácia, que é lugar onde se fala da vida alheia.


- O novo doutor tá chegando hoje no trem das cinco. – disse o boticário pra dona Firmina, mulher do seu João Preto, dono da única bodega da cidade.

- E eu já num sei? Ôxente! Já escutei dizer lá na feira que o caba é bonito que só a peste e bem novim! E a muierada já tá toda assanhada! Quem num tá gostando nadinha é o coroné. Tá doidim lá na fazenda, mais nervoso do que gato em dia de faxina. Andano pra lá e pra cá num pé e nôto! Eu soube que ele queria era o filho dele pra ser o dotô daqui do Catolé, mas o minino num quer saber de estudá. Tá lá nas europas gastando a herança do véi! – cochichou a dona Firmina pro boticário que soltou um sonoro “Êita diacho!”.

Às cinco horas em ponto o trem trouxe o novo médico. Todo de branco, com a maleta na mão, franzino e delicado. Foi a maior algazarra. Parecia até dia de comício. O prefeito fez um discurso de boas vindas, o padre rezou uma missa e o doutorzinho já começou, logo no primeiro dia, sendo chamado pra fazer um atendimento lá no meio dos matos. Subiu no lombo dum jumento e quando ia passando perto da farmácia ouviu um alerta do boticário:

- Bom dia, doutor! Num vá pela estrada não, pois o coronel soltou o cachorro e ninguém passa por lá numa hora dessas, não senhor! O bicho é brabo que só o diabo! Já mordeu uma penca de gente por aqui. O senhor vai ter que arrodear lá pras bandas do açude.

- Eu tenho lá medo de cachorro! – disse o doutor confiante. – Nem de coronel! – completou em tom ameaçador.

No dia seguinte a notícia já corria de boca em boca. O cachorro do coronel amanheceu morto, enfiado numa estaca, com as tripas de fora e com os olhos arrancados. Era só no que se falava no Catolé. E o boticário já tinha espalhado pra tudo quanto era canto da cidade o que o doutorzinho tinha falado no dia anterior.

Ninguém teve a coragem de perguntar se o doutor tinha feito aquilo com o infeliz do animal. O fato é que ninguém descobrira quem tinha massacrado o bicho daquela maneira tão violenta e a história esfriou e caiu no esquecimento. Menos pro coronel que mandou espalhar que já sabia quem era o matador do cachorro e que a história não iria ficar sem resposta. A vingança seria tal e qual.

Passados uns dias, o coronel enviou um convite amistoso para o doutorzinho. Um convite para um jantar na fazenda. O doutor aceitou com muito gosto, apesar das advertências do povo.

- O senhor num é doido de ir! O coronel é cabra perigoso! E ele pensa que foi o senhor doutor que matou o cachorro dele. – disse o boticário com as mãos postas. – O doutorzinho limitou-se a sorrir e disse que não se preocupasse, pois tudo ficaria esclarecido no seu devido tempo.

Naquela noite o coronel recebeu o convidado em sua fazenda e logo lhe ofereceu uma garrafa da melhor cachaça do seu engenho. Conversaram amistosamente durante algum tempo até que chegou a hora do jantar que transcorreu normalmente. (O que o doutor não sabia é que o coronel tinha mandado cozinhar o cachorro morto em água envenenada com folhas de angico-preto para servir de jantar pra ele).

No dia seguinte o doutor partiu no primeiro trem, logo pela manhã. Ninguém entendeu o porquê daquela repentina mudança de planos. Dizem que o prefeito e o padre imploraram para que ele ficasse em Catolé, mas não teve jeito.

No mesmo dia, lá pra três horas da tarde, encontraram o corpo do coronel transpassado por uma estaca, com as tripas de fora e com os olhos arrancados. Assim como, do mesmo jeito, os corpos dos capangas do coronel e mais dois cachorros. A viúva do coronel, dona Gertrudes, em estado de choque, foi poupada não se sabe a razão. Apenas balbuciava que tinha sido coisa do Demo. Era coisa do Capeta, do cachorro da mulésta. O pavor tomou conta da cidade e por muito tempo, mal anoitecia, o povo se trancava nas casas com medo. Desde esse dia então, o fato ficou conhecido como “O dia em que o Cão visitou o Catolé”.

E não se falou mais nisso até os dias de hoje

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poema agraciado no XX Prêmio Ideal Clube de Literatura 2018

Ponte Metálica ou Ponte dos Ingleses na Praia de Iracema em Fortaleza. (Foto Newton Silva). PONTE DOS INGLESES  O ideograma do te...