sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

O CASTELO



Tinha chovido a noite toda. Deu até pra ouvir o ribombar dos trovões. O clarão dos relâmpagos alumiava até o alto da serra da Guaramiranga, estremecendo o chão, que dava até medo.

Logo pela manhã, bem cedinho, Zé já estava de pé, respirando com satisfação o cheiro da terra molhada e a vista descansava só em olhar para o verde da mata. Nuvens carregadas coroavam o cume da serra e as formigas de asa saltitavam aqui e ali, fazendo a alegria das galinhas e dos capotes no terreiro. Mariazinha, a mulher de Zé que estava barriguda, já estava ali no fogão à lenha fazendo o café e as tapiocas de coco. O cheiro gostoso invadia a casa toda.

- Eita, Mariazinha! Vem mais chuva por aí... – disse apontando pra serra azul. Vô apruveitá e construir o nosso castelo lá debaixo daquelas carnaubeiras.

- É bonito, lá. Vem tumá o teu café primeiro, hôme! As tapiocas tão bem quentinhas! – disse ela satisfeita, varrendo as formiguinhas espalhadas pra tudo quanto era canto da casa.

O fato é que o Zé tinha visto um castelo numa revista, quando um dia ele foi a Fortaleza resolver umas coisas. Era um castelo na Europa e ele botou na cabeça que ia construir um castelo igualzinho àquele da revista. Afinal Mariazinha era a princesa que ele sonhara. Moreninha de olhos verdes e bonita que só a gota serena! Eita morena bonita! E ainda estava esperando um filho dele.

Deu-se que um dia ele terminou de construir o castelo. Chamou Mariazinha pra ver e ficaram ali por um bom tempo, de mãos dadas, satisfeitos, admirando a construção.

- Eita, que ficou bonito, Zé!

- Eu num lhe diche que um dia ia terminar? Eu pintei ele todo de azul, que é pru mode Deus nosso Sinhô abençoá a gente lá de riba das nuvens... e ainda coloquei umas bandeirinhas brancas, tá vendo?

Mariazinha assentiu e sorriu, segurando o neném num abraço. Zé também abraçou os dois ternamente. Mariazinha já tinha parido e já tava de novo com a barriga cheia, pois o Zé queria ter uns dez filhos, que era como ele dizia, “... os meninos era pru mode ajudá na lida do roçado e as meninas pra encher a casa de rosas e ajudá a mãe na lida da cozinha”.

Nuvens carregadas coroavam o cume da serra. Um vento frio soprou de mansinho anunciando que ia chover naquela noite. Entraram e fecharam a porta do castelo.

Quem passava lá no alto da estrada, via no meio das carnaubeiras, uma casinha de taipa, pintada toda de azul. E no varal, panos brancos esvoaçavam no quintal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poema agraciado no XX Prêmio Ideal Clube de Literatura 2018

Ponte Metálica ou Ponte dos Ingleses na Praia de Iracema em Fortaleza. (Foto Newton Silva). PONTE DOS INGLESES  O ideograma do te...