sexta-feira, 28 de junho de 2013

AMANHÃ É SÁBADO

Um sábado antigo, uma rua antiga em Fortaleza

O sábado tem uma magia, um “não-sei-o-quê” de diferente e de especial. É como se a natureza conspirasse para o sábado. Acorda-se mais disposto do que nos outros dias, percebe-se mais o azul do céu, azul translúcido como um vitral de catedral, espelhado nas poças d’água, quando chove. Há mais canto de pássaros, bem-te-vis empoleirados no centenário pé de pitomba no quintal. Nas manhãs de sábado abrem-se as cortinas, clareia-se a casa toda, o corredor, o quintal. Ouve-se um silêncio tão profundo! O cheiro gostoso de café e pão com manteiga vem acordar-nos e uma sensação de contentamento estufa-se no peito, fazendo bater mais forte o coração, revitalizando uma promessa, uma esperança, um juramento. No jardim, rosas abrem-se às borboletas e abelhas e as formigas, incansáveis jardineiras, podam e fazem piqueniques. O perfume no ar fica mais intenso e a manhã nem bem começou.

Bem que Clarisse Lispector falou que o sábado é a rosa da semana e sábado de tarde a casa é feita de cortinas ao vento.

Ah, tardes de sábado!

Notou como as sombras nas calçadas são maiores? Estendem-se enormes, alongando-se nas ruas, convidando-nos para sentar sob árvores generosas.

Nelson Rodrigues certa vez escreveu que o sábado é uma ilusão.

Amanhã, pois, é dia de ilusão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poema agraciado no XX Prêmio Ideal Clube de Literatura 2018

Ponte Metálica ou Ponte dos Ingleses na Praia de Iracema em Fortaleza. (Foto Newton Silva). PONTE DOS INGLESES  O ideograma do te...