sexta-feira, 26 de julho de 2013

HISTÓRIAS DO SERTÃO – A ASSOMBRAÇÃO DO AÇUDE




O açude é um mar de tão grande que é.
Nas profundezas das águas tem uma cidade antiga.
Histórias de amor e medo, profundos segredos.

O menino nasceu todo esbranquiçado, transparente, a pele branca, os olhos vermelhos que dava medo. Parecia até uma alma penada. Era por isso que desde menino não saía durante o dia. Escondia-se de todos. Andava escondido do sol. Só saía quando escurecia para pescar no açude. Ficava por lá até altas horas da noite. A mãe dele morria de preocupação com o menino. Voltava pra casa com o samburá cheio de peixes de todos os tipos.

sexta-feira, 19 de julho de 2013

O IDIOTA


Francisco de Goya, O Idiota

O idiota quando nasceu, já era um idiota. Nasceu de pais idiotas que consideraram que tinha sido uma idiotice terem se casado e ainda uma idiotice pior, quando ela engravidou. Quando ele nasceu, deram-lhe um nome idiota qualquer. Eles viram esse nome na televisão quando assistiam à programação idiotizante.

quinta-feira, 11 de julho de 2013

O DIA DA MORTE





Quando o médico entrou na sala, observou que o semblante dele era grave.

Ao ouvir o diagnóstico sentiu um soco no estômago. Quase desfalece ali mesmo. A vista ficou turva. O médico todo de branco, sentado do outro lado da mesa, deu-lhe a impressão de que era um espectro. A sala do doutor era fria, muito fria, repleta de diplomas e havia muitas fotos de congressos de medicina. Outras fotos mostravam o doutor sempre fazendo pose nos principais monumentos europeus, demonstrando que era financeiramente bem sucedido. Viu uma réplica da torre Eiffel em cima da mesa que lhe pareceu imensamente simplória.

quinta-feira, 4 de julho de 2013

A JANELA DA ALMA



Daqui da janela dá para ver a rua, a praça, a igreja, a chuva. Passam carros, pessoas, passam coisas. Passa um homem de bem vendendo pipoca. Passa devagar, sem pressa e senta no banco da praça. Pombos revoam em volta e ele reparte a pipoca com os pombos. O rosto dele é feito todo de sorrisos. Chegam crianças colorindo tudo à volta e os pombos saltam como crianças. Árvores balançam os braços, os galhos, as folhas abraçando o vento, desfolham. E a vida passa de manhã na praça.

Poema agraciado no XX Prêmio Ideal Clube de Literatura 2018

Ponte Metálica ou Ponte dos Ingleses na Praia de Iracema em Fortaleza. (Foto Newton Silva). PONTE DOS INGLESES  O ideograma do te...