sexta-feira, 23 de agosto de 2013

O DIABO NA JANELA

A Ilustração é de Daniel Klein


Aquela moça era bonita que só vendo. Ficava a manhã toda na janela arrumando os cabelos trançados, ora botando papoulas, ora botando girassol, ora pintando as unhas, ora botando batom, sempre sorrindo com a boca vermelha para os moços que passavam em frente da casa, só pra ver a boniteza dela.


Mas aquela moça não queria casar com ninguém dali. Os rapazes faziam serenatas, mas tudo em vão. Ela não se engraçava com nenhum. Dizia assim para a mãe dela, que quando um rapaz era bonito, era pobre e quando um era rico, então era feio de fazer dó.

- Desse jeito tu vai é ficar no caritó! Tu vai é pro barril! Num abra do olho não, procê ver! Boniteza o tempo leva como poeira! Vá rezar o credo que é melhor! – Ralhava a mãe com a moça bonita.

- Ah, mãe! Eu quero casar com um rapaz que seja bonito, rico e que venha me buscar todo vestido de vaqueiro, montado num cavalo preto e lustroso, com os arreios de prata. – Sonhava a moça.

- Vá rezar o credo que é melhor! E cuidado com os desejos do seu coração! – Admoestou a mãe.

Um dia a moça estava na janela enfeitando os cabelos, como assim era costume, quando parou um moço bonito, vestido de vaqueiro. Parecia ser muito rico e ela notou os arreios de prata do cavalo. Ele apeou, puxou o cavalo preto lustroso até a janela. Ela sorriu-lhe encantada e disse sem ponderar:

- Moço bonito, quer casar comigo?

- Caso sim, mas só não pode ser na Igreja, pois eu lá não posso entrar.

O moço bonito sorriu com a boca escancarada cheia de dentes de ouro. A moça estremeceu de tanto medo que ficou com todos os cabelos brancos. Ela viu que era o Diabo em pessoa. Aí ela se lembrou de rezar o Credo, como lhe tinha ensinado a sua mãezinha. Quando acabou de rezar, o vaqueiro fez uma careta muito feia, se contorceu todo e soltou um arroto podre, fedorento a enxofre. Quando a moça fez o sinal da cruz, o Diabo estourou e sumiu junto com o cavalo preto lustroso de arreios de prata.

A moça nunca mais ficou na janela a enfeitar os cabelos trançados. A beleza se foi como poeira. Também pudera. Não se deve bulir com quem está passando quieto na estrada.

(Adaptado duma história de Ruth Guimarães Botelho)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poema agraciado no XX Prêmio Ideal Clube de Literatura 2018

Ponte Metálica ou Ponte dos Ingleses na Praia de Iracema em Fortaleza. (Foto Newton Silva). PONTE DOS INGLESES  O ideograma do te...