sexta-feira, 16 de agosto de 2013

A MORTE E A VIDA




Amanheceu uma manhã silenciosa, quente, sem brisa. O suor descia como goteiras. Dona Mazé, atarefada na cozinha, deu fé duma coisa no quintal. Uma galinha cantou como um galo. Ela se arrepiou de cima a baixo, se mijando todinha. Quem ouve tal canto sabe logo que vai haver desgraça. É prenúncio infalível de coisa ruim. Pra se prevenir da desgraça é bom cortar logo um dedo da galinha ou matar a bicha.


Dona Mazé sabia que quando uma galinha canta de galo vai morrer o dono da casa. Ela se lembrou do marido, seu Josézim, que tava até adoentado, de cama. Ele tinha se cortado no roçado com a enxada e a ferida tava feia.

- Diacho! Vô é fazer uma canja dessa bicha pra eche véi miorá. – Pensou enquanto se asseava na beira do cacimbão.

Pegou a galinha, matou e fez a canja, que tava cheirosa de dar água na boca. Seu Josézim tomou com gosto, chega suou. Aí passou a febre, se levantou disposto e foi pro terreiro, já pedindo pra tomar café. A ferida já tava boa, cicatrizada. Dona Mazé acendeu uma vela e rezou um pai-nosso e uma ave-maria pra Nossa Senhora do Rosário e pra São José, Padroeiro do sertão. Contou pro marido a história da galinha, ainda preocupada com a melhora repentina dele. Ficou com medo, pois doente que tá muito doente, que melhora assim, de uma hora pra outra, é na certa a visita da saúde, a melhora da morte. Seu Josézim sorriu confiante e abraçou forte a Dona Mazé.

- Se assossegue, muié. Eu num vô morrer, não. Tô inté cum vontade de tomar uma pinga, que é pru mode comemorar a minha melhora!

- Ôxente, seu José! Se aquiete! Onde já se viu brincar assim com essas coisas? – Disse se benzendo, adoçando o café com rapadura.

Quando foi de tardezinha, chegou a notícia da morte de um compadre deles, que morava a umas léguas dali. Dona Mazé sossegou o coração, pensando como é que a galinha errou de agouro.

- José, cumé que foi morrer logo o nosso cumpade? A galinha num agorou num foi tu? E eu num matei ela, que é pru mode tu num morrer?

- Ôxente, Mazezinha. Tu num intende mermo de nada. Tu veve rezano pra esses santos aí e num intende mermo dechas coisas... tu num se alembra que o dono dessa casa é o nosso cumpade? Eu fiquei inté de pagar a ele quando colhesse e vendesse o milho e o feijão? Mas que com essa seca nóis tivemos prejuízo e não deu pra pagá o hôme?

- Intonce a galinha num errou não, zezim! Ela só teve o mau agouro inviezado!

Um vento seco e quente entrou cozinha adentro, rebolando as panelas no chão, batendo as portas, estufando as cortinas de retalhos, assoprando a poeira no meio do mundo, que rodopiava feito uma doida no quintal. Seu Josezim e dona Mazé ouviram o ribombar de trovão e correram pra janela. O céu já tava meio escuro no fim de tarde, viam-se ainda umas nuvens alaranjadas por detrás do serrote. O vento amenizou, trazendo cheiro de terra.

Dona Mazé se agarrou com o marido. Ele a abraçou forte, os olhos marejaram. Ouviu a mulher dizer baixinho, como é que podia o compadre ter morrido, justamente em um dia tão bonito como esse. Seu Josézim respirou o ar puro do sertão castigado e pensou consigo mesmo, que às vezes, a morte de alguém não é só tristeza. Foi pro terreiro, se ajeitou na cadeira pra ver o anoitecer.

- Vai chover.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poema agraciado no XX Prêmio Ideal Clube de Literatura 2018

Ponte Metálica ou Ponte dos Ingleses na Praia de Iracema em Fortaleza. (Foto Newton Silva). PONTE DOS INGLESES  O ideograma do te...