segunda-feira, 5 de agosto de 2013

UM ANJO CHAMADO WEBER

Rua Padre Mororó na Fortaleza antiga

O professor Weber parecia um anjo. Gostava sempre de usar a roupa branca de enfermeiro. Costumávamos encontrá-lo à sombra dos fícus-benjamim, na calçada da Rua Padre Mororó, onde fica o curso de enfermagem São Camilo de Léllis, do qual era ele o diretor. Fazíamos, então, questão de cumprimentá-lo e sentir o forte aperto de mão. Ele tinha um apreço por todos, tinha os braços abertos, o coração generoso, exalava simpatia, amizade, benevolência.

Mas não vamos mais encontrá-lo nem sentiremos nunca mais aquele aperto de mão. A Rua Padre Mororó está agora vazia. Os fícus-benjamim descansam suas sombras centenárias nas calçadas. Deus os fez com mil folhas, ouvidos e olhos.

Da copa vertem lágrimas, cipós tristes e quando é madrugada, o vento gélido sussurra canções nos ouvidos das figueiras, deixando cair folhas em silêncio, dobradas, escondendo segredos e recitando versos.

T.S. Eliot disse em um poema que abril é o mais cruel dos meses. Para nós, poeta, julho foi devastador. Fomos tomados de surpresa avassaladora com a morte incompreensível do professor Weber e uma surda agonia em nosso coração feneceu.

Mas a morte não é nada. Apenas não vamos mais encontrá-lo. Conforta-nos, o nosso coração, só em saber que naquela rua, agora, verdadeiramente mora um anjo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poema agraciado no XX Prêmio Ideal Clube de Literatura 2018

Ponte Metálica ou Ponte dos Ingleses na Praia de Iracema em Fortaleza. (Foto Newton Silva). PONTE DOS INGLESES  O ideograma do te...