sexta-feira, 27 de setembro de 2013

HISTÓRIAS DO SERTÃO – A cruz na estrada



“Caminheiro que passas pela estrada,
Seguindo pelo rumo do sertão,
Quando vires a cruz abandonada,
Deixa-a em paz dormir na solidão”.

(Castro Alves)



No sertão as estradas são solitárias e silenciosas. O silêncio da solidão é deslumbrante. Aqui e ali se vê uma árvore seca, uma casinha esquecida, um muro em ruínas, uma cancela. Tudo é mato nos dois lados da estrada. Quem passa sozinho se arrisca a ver coisas, ouvir vozes, sentir cheiros. Cheiro de cuscuz e café, fornada de tapioca, cheiro de bosta de vaca, cheiro de mato, cheiro de caju, cheiro de chuva, sem chover.

Ao longe, quase inaudíveis, ouvem-se os sons do mato: latidos entrecortados por aboios, trinados, chilreios, gorjeios, gorgolejos, piados, guinchos, tinidos, arrulhos e coisa e tal, embora não se possa aqui, descrever o pesado silêncio que paira sobre a estrada solitária. 

É muito comum encontrar uma cruz na beira da estrada. Quem a pôs ali, ninguém sabe, ninguém lembra. Mas ao passar diante de uma cruz assim abandonada, se limpa ao redor, faz-se o Sinal da Cruz e reza-se um Pai-Nosso e uma Ave-Maria e depois se vai embora, deixando-a em paz, pois ali repousa a memória de alguém que já se foi, que não anda mais entre nós. 

Embora muitas vezes, andarilhos solitários contam que se escutam passos de alguém caminhando ao lado e quando se olha para trás, somente a estrada vazia a se perder de vista. 

Há quem diga que é só a solidão da estrada vazia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poema agraciado no XX Prêmio Ideal Clube de Literatura 2018

Ponte Metálica ou Ponte dos Ingleses na Praia de Iracema em Fortaleza. (Foto Newton Silva). PONTE DOS INGLESES  O ideograma do te...