sexta-feira, 29 de novembro de 2013

DESEJO CEGO


Ao lado do prédio do Instituto dos Cegos na Avenida Bezerra de Menezes, tem uma parada de ônibus e é comum sempre ao meio-dia ver dezenas de deficientes visuais à espera de condução. No meio dessas pessoas, no vai e vem da hora do almoço, nota-se um cego em especial. Ele fica lá por horas, sentado em um dos bancos, talvez à espera de alguém para voltar para casa. Um filho, um amigo, a mulher, quem sabe.

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

O VAMPIRO DA PRAÇA DO FERREIRA



O vampiro chegava sempre no final da tarde. Sentava sempre no mesmo banco, em frente ao prédio do Cine São Luiz. Fazia isso já há dezenas de anos. Ficava lá por horas a fio. Despretensioso, alheio a tudo ao seu redor, somente observava o vai e vem de pessoas. O olho exangue demorava em algumas pessoas, preferencialmente em mocinhas púberes. Esputava como um lobo.

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

UMA ESTRANHA HISTÓRIA



Conheci seu Aírton na década de oitenta. Era um homem humilde, autodidata, de poucas palavras. Ele trabalhava na limpeza e servia o cafezinho, entre outras coisas. Certa vez ele me contou essa estranha história:

O MILAGRE

Quem luta com monstros deve velar por que, ao fazê-lo, não se transforme também em monstro. E se tu olhares, durante muito tempo...