quinta-feira, 7 de novembro de 2013

UMA ESTRANHA HISTÓRIA



Conheci seu Aírton na década de oitenta. Era um homem humilde, autodidata, de poucas palavras. Ele trabalhava na limpeza e servia o cafezinho, entre outras coisas. Certa vez ele me contou essa estranha história:


“Há alguns anos, estava em um ônibus de volta para casa, quando ouvi alguém murmurando alguma coisa bem no meu ouvido e que eu não conseguia entender. Era um murmúrio assustador. Eu ouvia bem claro, mas as palavras não eram em Português. Parecia mais outro idioma, que com toda a certeza, não me era familiar.

Olhei em volta assustado. O ônibus estava quase vazio, pois já era tarde da noite. Pensei que fosse alguém ao meu lado, mas não era. Continuava a ouvir o murmúrio em um tom que qualquer pessoa poderia ouvir, mas ninguém parecia ter percebido. Pensei que poderia ser o motorista conversando com alguém. Não havia ninguém com ele. Podia ser alguém com um radinho de pilha e também não vi ninguém, pois havia poucas pessoas.

Apesar de o ônibus estar quase vazio e com muitas cadeiras vagas, havia um homem e uma mulher em pé. Ele de cabeça baixa. Eram pessoas de aspecto comum. Nada de estranho. Quando prestei atenção nele, imediatamente ele olhou pra mim e até pensei que ele me conhecia, pois me olhou insistentemente. Voltei a ouvir o murmúrio ininteligível outra vez e quando eu me virava em direção àquele homem, o som parava. Impressionei-me porque parecia que ninguém ouvia nada e permaneciam tranquilos em suas cadeiras, apesar de para mim, o murmúrio ser bastante alto. O homem voltou a olhar pra mim e senti náuseas, dor de cabeça, vontade de vomitar e suor frio. Pensei que ia ter um treco ali mesmo. Então o homem e a mulher me olharam assustados e de repente desceram rapidamente do ônibus, como se estivessem escondendo alguma coisa. O motorista até perguntou se eles estavam ficando doidos com aquela pressa. Mal eles desceram me senti melhor, mas senti um gosto metálico na boca, tipo aquele gosto quando a gente vai ao dentista... Olhei pra fora do ônibus e ele estava lá parado, me olhando, com os olhos assustados, como se quisesse me falar algo ou como se quisesse se afastar de mim.

Confesso que fiquei com muito medo e com receio de um dia encontrá-los novamente. Ainda hoje não imagino o que poderia ter o murmúrio que ouvi e o mal estar que senti, com aquele homem e com aquela mulher”.


Seu Aírton faleceu alguns anos depois e o filho dele me contou que durante o velório, um homem e uma mulher permaneceram em silêncio toda a noite ao lado do caixão, até o sepultamento no dia seguinte. Terminado o enterro, foram até a viúva e perguntaram-lhe se ela estava ouvindo alguma coisa, tipo um zumbido ou algo parecido. Como ela disse que não estava ouvindo nada de anormal, prestaram-lhe as condolências e foram embora em silêncio, da mesma maneira como chegaram.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poema agraciado no XX Prêmio Ideal Clube de Literatura 2018

Ponte Metálica ou Ponte dos Ingleses na Praia de Iracema em Fortaleza. (Foto Newton Silva). PONTE DOS INGLESES  O ideograma do te...