sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

A TROMBOSE


Seu Otacílio amanheceu todo troncho, com uma banda morta, a boca virada prum lado, toda roxa. Quando a dona Mariazinha, a mulher dele viu aquilo, tomou foi um susto com a cena grotesca. O velho tentava falar alguma coisa e só saía uns grunhidos de porco. A situação do velho era calamitosa, diga-se de passagem. A coitada da mulher dele alarmou no meio da rua, pedindo socorro, que era pru mode acudir o marido que tava tendo uma trombose. A casa se encheu de gente querendo ver o seu Otacílio todo inchado dentro duma rede veia, grunhindo qual um barrão e se cagando todim, feito menino novo.

Aí veio o doutor, que na verdade nem era doutor coisa nenhuma. Era mesmo o veterinário que trabalhava na fazenda do prefeito e que vez por outra vinha acudir o povo. Afinal, gente e bicho são tudo filhos de Deus. E o velho Otacílio que mais tava parecendo com um sapo, todo inchado, arroxeado e ainda mais roncando como um porco, tava mais pra bicho do que gente.

O doutor olhou aqui e ali, apertou o bucho do velho, examinou a língua, botou os ouvidos nas costas e concluiu o que todo mundo já sabia. O homem teve foi uma trombose. E das feias. Num vai durar nadinha. Tá mais pra lá do que pra cá e já pode encomendar o caixão que é coisa de poucos dias.

Qual o quê, meus amigos. Passado a agonia daquele sucedido, o velho Otacílio foi melhorando dia após dia sob os cuidados da mulher dele. O doutor até podia entender de cavalo, de vaca ou de bode, mas de burro chucro ele não entendia era nada. 

O fato é que seu Otacílio não morreu não. Só ficou assim meio abestalhado e atoleimado, rasgando dinheiro e amassando merda. Tava mesmo era com a bixiga lixa. Dona Mariazinha, coitada, pegou mais essa cruz pra carregar. No começo ela banhava, dava sopinha na boca, botava pra dormir. Aí o velho se cagava todo na rede e ela ia limpar na maior paciência que esse mundo já viu. Tempos depois ela deixou o velho se virar sozinho. Andava todo troncho para tudo quanto era canto na cidade. Comia tudo o que vinha pela frente e voltava pra casa todo sujo e enlameado. Ela jogava o desgraçado dentro de uma tina de água fria e só tirava quando se lembrava dele, muitas vezes tarde da noite. 

Mas teve um dia que a paciência de dona Mariazinha se acabou. Começou a chegar uns meninos que vinham a mando do seu Mané Bofão, dono da mercearia, trazendo uns papeizinhos, cobrando umas coisas que o seu Otacílio andava comprando fiado. Aí ela foi lá na bodega fumando numa quenga. Onde já se viu uma coisa dessas? O seu Mané Bofão lhe disse que o seu Otacílio chegava lá e se encostava no balcão e dava de pau a tomar cachaça e a comer farinha. Ultimamente já tava até levando umas raparigas pra encher a cara com ele. Dona Mariazinha voltou pra casa e no caminho pegou uma vara de marmeleiro. Esperou que o seu Otacílio chegasse das suas andanças. Do jeito que o velho tava, todo sujo, mijado e enlameado, o passo troncho, mais melado do que espinhaço de pão doce, a dona Mariazinha sapecou-lhe a vara nos lombos do velho. Foi tanta peia que no outro dia o cabra safado amanheceu curado da trombose. Sério que só porco mijando.

A notícia da peia correu o mundo. A mulher que curou a trombose do marido com uma coça de vara de marmeleiro. O velho tava realmente com um pé na cova. O povo conta que o doutor veterinário começou então a aplicar o método da dona Mariazinha, metendo a coça sem dó nem piedade no povo, que era pru mode expulsar o cão dos couros. Já, o seu Otacílio, parece até que virou crente. 

Aí eu não confirmo. Já é mentira demais da conta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poema agraciado no XX Prêmio Ideal Clube de Literatura 2018

Ponte Metálica ou Ponte dos Ingleses na Praia de Iracema em Fortaleza. (Foto Newton Silva). PONTE DOS INGLESES  O ideograma do te...