terça-feira, 7 de janeiro de 2014

TRÊS POEMAS PARA MERCEDES


TELEFONE
Depois de falar, desligamos.
E nossa conexão era tal em certos dias, que intuitivamente,
Com muita certeza,
Levantávamos o telefone e,
Podíamos sentir nossos corações através do aparelho.


ENIGMA
Há um mistério.
Eu chamaria de o enigma dos olhos transparentes.
Havia dias em que, sem explicação, teus olhos brilhavam mais.
Ficavam translúcidos.
Penso que era simplesmente o teu dia de olhar transparente.


O SOL
Sabe por que me lembro de você neste momento?
Porque há sol. Depois de dias e dias de chuva, o sol apareceu.
E tua imagem está ligada a ele.
Onde eu andar no mundo, há de haver sol.
Foi ao sol que nos encontramos.
Havia areia e mar e vento.
E o silêncio do domingo foi rompido por uma lancha solitária no mar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O CANHÃO DO EMÍLIO SÁ CONTRA A JAGUNÇADA DO PADRE CÍCERO

Vendo passar o padre, com o pesado bordão com que costumava andar, seguido de um bando de fanáticos, disse: “Ali vai um missionário;...