sexta-feira, 14 de março de 2014

OBSESSÃO


Quem tem culpa de sangue, caminha cambaleante, assim de lado, com as pernas pensas, como se portasse uma dor, uma agulha na carne. Tal e qual num poema de Leminski:

Carrega o peso da dor,
Como se portasse medalhas, 
Uma coroa, 
Um milhão de dólares 
Ou coisa que os valha.

Não vive. Atravessa a existência afundada para sempre no mar do arrependimento, tendo constantes visões doentias do Inferno.

Era assim a vida miserável de Adélia, uma mulher cuja alma andrajosa retorcia-se diuturnamente sobre si mesma com o peso atroz da culpa irreparável do passado, quais raízes aprofundadas na medula óssea. Nunca dormiu de verdade sequer uma vez na vida. A não ser um sono breve e espasmódico, entrecortado por violentas tormentas de pesadelos tempestuosos e sonhos difíceis. 

Casou sem ao menos ter sabido o que é ser feliz, padecendo de uma gravidez penosa e quase interminável. Sorriu unicamente quando viu o filho sair de suas entranhas, não por tê-lo visto nascer, mas por ter sentido o alívio das dores de parto. Sorriu pela segunda vez quando o filho lhe trouxe a netinha para que a conhecesse. O nascimento de um neto é um evento magnífico e traz refrigério para as almas combalidas como a de Adélia. A presença diária daquela inocente criatura lhe trouxe alívio para suas dores e entre elas nasceu uma afinidade nunca vista entre avó e neta. Adélia renasceu para a vida e até o sono lhe veio reparar a fadiga da existência. A netinha passava praticamente o dia todo ao seu lado como um anjo guardião. 

Entendiam-se como ninguém. Nasceram uma para a outra, disso ninguém tinha dúvida.

Um dia, a netinha que já tinha cinco anos, chegou-lhe bem perto, como quem quer contar um segredo. As mãozinhas tocaram-lhe frias, os olhinhos fitando um ponto cego.

- Vovó, quem é essa mulher ao seu lado?

Adélia empalideceu. Viu que a menina apontava em sua direção. Virou-se bruscamente, mas nada viu. A menina parada sorria e apontava para ela.

- Quem é? – repetiu - Quem é essa mulher que está lhe abraçando?

O sangue de Adélia gelou-lhe nas veias. Sentiu mesmo um peso na cintura apertando-a, como num abraço. Sentiu ainda um bafo morno no ouvido. 

- Ela está assoprando no seu ouvido, vovó! – A menina apontando ainda para ela, inocentemente divertia-se com aquilo.

Adélia contorceu-se toda quando sentiu um violento e brusco puxão nos cabelos. Uma dor lancinante percorreu-lhe a espinha, estalando todos os ossos, como se lhe rasgassem a pele, como quando um açougueiro ali chegasse e estripasse um coelho a sangue frio. Penosamente, antes de perder os sentidos, antes de desfalecer em um colapso, ainda ouviu a menina dizer:

- Ela não gosta nem um pouco de você.




Um comentário:

  1. Nossa! A menina viu o tormento da avó em espírito e que pior de tudo ainda tem raiva dela. Como matar quem está morto? MUITO BOA.

    ResponderExcluir

Poema agraciado no XX Prêmio Ideal Clube de Literatura 2018

Ponte Metálica ou Ponte dos Ingleses na Praia de Iracema em Fortaleza. (Foto Newton Silva). PONTE DOS INGLESES  O ideograma do te...