sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

O PIERROT E A COLOMBINA

Federico Cantu - Arlequines-1930



Agenor era um homem pacato. Não gostava dessa história de folia. Carnaval para ele era coisa de vagabundo, de gente sem noção. Durante o feriado carnavalesco, Agenor gostava mesmo era de ficar em casa, tranquilo, ouvindo os mozartes, betôvens, xúbertes, óperas e o diabo a quatro. Aquilo sim, é que era música de verdade, dizia ele estufando o peito!

Ele tinha ficado viúvo já há um bom par de anos e apesar de ainda ser um homem relativamente jovem, nunca mais tinha procurado mulher nenhuma para ocupar o outro lado da sua cama. Vivia do trabalho para casa. Os amigos de mesa de bar viviam tentando rebocar Agenor para curtir a noite, para levar para alguma festa, mas ele resistia a tudo. Não gostava de sair de casa.

- Eu não vou sair nem que a vaca tussa! – Falava decidido.

- Bora, Agenor, Deixa de ser abestado! Vai ter um bailezinho de carnaval lá no centro comunitário. A gente nem vai dançar. É só pra tomar umas cachaças e ver as meninas. – argumentava a curriola. 

- Vô nada! Detesto baile de carnaval.

O fato é que de tanto insistirem os amigos, Agenor acabou cedendo.

- Eu vou, mas é só pra tomar umas duas cachaças e volto pra casa.

Chegando lá, no centro comunitário, o baile carnavalesco já rolava solto. Todo mundo pulando, dançando, fazendo estripulias, sujos de goma, o som dos carnavais em volume intenso e ensurdecedor. Agenor, meio contrariado, se sentou numa mesinha reservada no canto com os amigos, doido pra ir-se embora dali. 

De repente, do meio dos foliões, surge uma bela loira, vestida de índia, mostrando as coxas grossas e bem torneadas. Ficou ali, próximo da mesa do Agenor, toda serelepe, se rebolando como uma odalisca. Agenor já meio calibrado começou a admirar a moçoila indecente e ela também, começou a trocar olhares e beijinhos pras bandas do Agenor. 

Os amigos começaram a alcovitar a paquera, empurrando o Agenor pro rumo da foliona, que vendo a timidez dele, veio até a mesa e jogou uma mão de confetes na cabeça do Agenor, visivelmente encabulado com a desfaçatez da moça, que chegou tão perto que propositalmente, chegou a roçar o par de coxas nele, fazendo o desgraçado se estremecer dos pés à cabeça. 

- Eita, Agenor! A louraça tá a fim de se abufelar contigo! – instigava a nêgada.

- Que conversa! É muita areia pro meu caminhãozinho! – disse Agenor emborcando mais um copo duma vez só.

Ouvindo isso, a loura pegou o Agenor pelo braço, puxando-o pro meio da folia. Ele meio sem jeito, mas já encachaçado, saiu aos trôpegos com a dita moça, se saracoteando no meio do salão. Depois disso, quem foi que disse que o pacato Agenor queria ir-se embora dali? Qual o quê! O cabra véi caiu na folia, agarrado na cintura da loura destemperada. Só se sabe, pela língua do povo, que Agenor e essa dita moça, se abufelaram foi com gosto de gás. Dizem até que viram o Agenor sair do baile de braços dados com ela, bêbados como gambás, indo em direção da casa dele. Ele todo atrapalhado, apalpando a despudorada criatura, doido pra entrar em vias de fato. Isso foi o que disseram.

No dia seguinte, quarta-feira de cinzas, o falatório sobre a aventura amorosa do Agenor já tava nas mesas de bar. O pessoal tava doido pra perguntar pro Agenor como foi que terminou a noitada com a loura fogosa. Foi quando chegou o dono do bar, assim de mansinho, falando em voz baixa:

- Loura, o carai! Aquilo ali num é mulher não pessoal! 

Fez um silêncio sepulcral no bar. O povo se aprochegou, os olhos arregalados, babando de curiosidade..

- Parecia uma mulher. Eu mesmo vi! – Disse um, meio desconfiado.

- Eu vi também e tinha um par de coxas, que só vendo! – Falou outro.

O dono do bar deu uma gargalhada. 

- É tudo silicone, pessoal! Aquela tal loura é aquele boiola do salão de beleza, ali da esquina! Eu vi quando ele passou aqui, vestido de índia paraguaia!

A esculhambação foi geral. O pobre Agenor ficou na boca do povo. 

- Comé que pode pessoal, logo o Agenor?

- Mas dá pra enganar. Eu jurava de pé junto que era uma mulher!

- O viado até que é bem aprumado!

O negócio foi o seguinte, pra encurtar a conversa: passou quarta-feira, quinta-feira, sexta-feira e nada do Agenor aparecer. O disgramado devia estar em casa roxo de vergonha. Era bem possível que ele não iria aparecer tão cedo, até que a fofoca esfriasse. Mas o que mais chamou a atenção, é que o cabeleireiro também não apareceu nem pra abrir o salão de beleza, o que é compreensível, diga-se de passagem. Afinal o povo preconceituoso iria tirar o couro dele com essa história do Agenor. O fato é que os dois sumiram, literalmente. 

Ainda hoje se especula o que pode ter acontecido depois daquele fatídico baile de carnaval. O disse-me-disse foi geral. O falatório ganhou as ruas. Os mexeriqueiros de plantão afiavam a língua, destilando todo tipo de conversa.

Tempos depois se soube que ambos fugiram juntos para viver um grande amor, nunca visto. Agenor largou tudo, vendeu os bens, a casa, o carro e partiu com a loura fatal que impiedosamente lhe roubara o coração, naquela noite de carnaval.

Vivem muito bem em Buenos Aires. Mas o povo inventa cada história....



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poema agraciado no XX Prêmio Ideal Clube de Literatura 2018

Ponte Metálica ou Ponte dos Ingleses na Praia de Iracema em Fortaleza. (Foto Newton Silva). PONTE DOS INGLESES  O ideograma do te...