sexta-feira, 25 de setembro de 2015

O HOMEM QUE DECIDIU NÃO MORRER

​Ilustração de Gustave Doré (1832-1883) para a Divina Comédia de Dante



O coronel Alarcão morreu na fria madrugada do dia vinte e cinco de setembro de mil novecentos e cinquenta e nove, há exatos cinquenta e seis anos. No dia da sua morte, estava confortavelmente sentado em sua poltrona defronte para o janelão de onde se avistava o verde-azul do mar, saboreando a sua costumeira chávena de café. E assim passava os dias, observando o sinuoso e incansável dançar das vagas, que se espatifava no quebra-mar. Descansava a vista fatigada na fímbria do horizonte, donde balouçavam distantes velas brancas de jangadas.

Sem que ele percebesse, sentou-se ao seu lado, sorrateiramente, o Ceifador, o Mercador de Almas, o chamado Espectro das Trevas, com suas enormes asas abertas em leque, pronto para arrastá-lo para a voragem dos infernos.

O coronel estreitou-se na poltrona sentindo lhe invadir o sopro morno da morte. Deu-lhe ânsias de vômito, pois sentou-se ao seu lado o próprio Demônio. Refez-se do asco que lhe causava o odor podre da efígie funesta que lhe atormentava. Atreveu-se então a desafiá-la e perguntou-lhe, inconscientemente como Dante: 

- "Quem és tu que vens antes do tempo"?

E a Alma Negra que espreita o Orgulho e a Avareza, respondeu na mesma réplica de Virgílio: 

- "Sobre esta lama imunda em breve poderás perceber o que se espera".

O velho estremeu, pois sabia que a Morte o tinha encontrado e já o algemava. Tinha ainda tanta coisa que queria fazer! Chorou em desespero e o anjo escarlate cingiu-lhe num abraço putrefato e disse taxativo:

- "Abandonai toda a esperança"!

- Mas não quero morrer ainda. – sussurrou o coronel aflito com a iminente desgraça. - Ainda tinha a pequenina esperança de ganhar mais alguns anos, quem sabe uma trinca. - O ceifador sorriu deixando escapar o hálito azedo dos mortos.

- Queres mais trinta anos? Terás que me convencer. Aí não te levo em meu manto.

O coronel então propôs para o anjo comedor de almas, um ardil, cujo conteúdo e tratado não poderemos jamais saber, por ser um acordo entre almas perdidas. O chamado Espectro das Trevas topou a espicaçada, mas advertiu o coronel solenemente:

- Mas tenhais muito cuidado, pois não se engana a Morte. A cidade de Dite tem muitas moradas e que culpa tenho eu de vossa vida perversa?

O ceifador então saiu e deixou o velho sentado em sua poltrona, como era seu costume passar ali as tardes. Ficou acertado que voltaria daqui a trinta anos para levá-lo definitivamente. A brisa sadia da tarde voltou a soprar e o velho coronel ficou ali petrificado defronte para o janelão de onde se avistava o verde-azul do mar.

Depois disso, depois que o Mercador de Almas desamarrou as cordas da morte, desvencilhando-se da funérea tarefa, o velho coronel permaneceu ali sentado, impassível, calado, pensativo e apreensivo quanto ao que acabara de acontecer. Havia com sucesso negociado a sua Hora com o Ceifador e obtido êxito. Permaneceu assim absorto por muito, muito tempo, até a terceira vigília. E foi assim que o encontraram na manhã seguinte. Completamente catatônico.

Os médicos, um a um, o examinaram e meneavam a cabeça entre si. Não havia mais o que ser feito, a não ser deitá-lo o mais confortavelmente possível, pois era certo que tinha sofrido um derrame fulminante, resultando em um quadro de catalepsia patológica grave. Provavelmente nunca mais se recuperaria.

Ele, o coronel Alarcão, irremediavelmente encarcerado em seu corpo petrificado, ouvia tudo sem poder mover sequer um dedo. 

Dizem que ficou assim durante exatos trinta anos, tendo uma morte atroz em seguida. 

E nada mais foi dito.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poema agraciado no XX Prêmio Ideal Clube de Literatura 2018

Ponte Metálica ou Ponte dos Ingleses na Praia de Iracema em Fortaleza. (Foto Newton Silva). PONTE DOS INGLESES  O ideograma do te...