sábado, 20 de maio de 2017

O PADRE, O MENINO E A GARAPADA DE RAPADURA

Xilogravura encontrada na internet.



Vô-le contá um causo assucedido lá pras banda dos Inhamuns, no interior do Ceará. O causo é o siuguinte e o siuguinte é eche:

Uma feita, vinha um pade em riba duma burrinha já cansadinha da viagem. Os dois, o pade e a burra, a burrinha e o pade, viajavam debaixo dum sol que era tão quente que nem brasa acesa, que nem fornalha. 

Esbaforido pelo calor infernal, o pade viu uma casinha na bêra da istrada. Apeou da burrinha que já não aguentava mais aquela lida de levá o pade.

Aí o pade viu um minino e aí chamou o minino.

Ô minino, ô de casa!

Aí foi que o minino, que tava brincando, viu o pade. Todo minino gosta de mexer com os pade.

Aí o pade diche: ô minino, cadê seu pai, cadê sua mãe?

Aí o menino diche que o pai e a mãe dele tinham ido pra feira.

Aí o pade diche assim: vosmicê minino tem não uma aguinha pra dar pru pade e pra burrinha, que é por causa que nóis tá cum sede da viaje?

Aí foi que o minino diche: vô vê se tem. Mas antes me arresponda essa pregunta:

Que pregunta é echa? 

Aí o menino preguntou pro pade: essa burrinha que o sinhô veio nela se transforma de noite numa muié pru mode o sinhô, seu pade, se abufelá cum ela?

É ou num é?

Aí o pade se arretô-se com o minino: me arrespeite que eu sou um pade!

Aí o minino dice: é ou num é? Me arresponda que vô vê se tem água!

É não! Essa burrinha é burrinha mermo, num é muié não!

O pade tava tiririca de ódio do minino.

Aí foi que o pade diche: tem água ou num tem, minino?

O minino diche: tem não. Mas tem garapa de rapadura, qué?

Aí o pade diche: quero.

Aí o minino diche: qué mermo? Óia lá! Vai querê mermo?

Aí o pade diche: já diche que quero, minino maluvido!

O minino foi lá dento da casa e trôxe uma cuia cheinha de garapa de rapadura. o pade bebeu e deu pra burrinha bebê.

Aí o pade diche: tem mais? O minino diche tem e foi buscar mais lá dento e trouxe a cuia mais cheia do que antes e o pade bebeu. E depois bebeu mais uma e mais ôta.

Aí o pade diche: Minino, sua mãe não vai se zangá pruiquê vosmicê me deu echa garapa todinha?

O menino diche: Vai não seu pade, ela num qué mais echa garapa pruique tinha três rato morto dento do pote!

O pade se arretô-se de novo com o minino: muleque maluvido! Pruiquê num diche antes de eu bebê?

Aí o pade pegô a cabaça de tanta reiva que tava do minino e jogou cum tava força que quebrô a cabaça no chão.

Aí o menino arregalô os zói e diche: agora sim, seu pade, por sua culpa é que eu vô levar uma surra das grandes!

Aí o pade diche: o que foi que eu fiz?

Aí o menino diche: pois o sinhô acaba de quebrar a cabacinha da minha vó mijar dento!

Aí o pade se arretô-se de novo com o minino!


(Conto popular do Nordeste)



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poema agraciado no XX Prêmio Ideal Clube de Literatura 2018

Ponte Metálica ou Ponte dos Ingleses na Praia de Iracema em Fortaleza. (Foto Newton Silva). PONTE DOS INGLESES  O ideograma do te...